terça-feira, 21 de agosto de 2007

Dispersos Escrevedores

Tomei a liberdade de roubar o nome (agora pluralizado) do blog do Manuel Nunes para vos apresentar alguns dispersos escrevedores bloguistas. Os dois primeiros são dois jovens muito jovens. Ambos têm 17 anos mas mostram uma maturidade escrevinhadora acima do normal. Reparem então no blog do Pedro Jorge, The Theory of Everything. A sua escrita é intensa, pirotécnica e densa, olhando para a realidade com olhos de camaleão em modo multi-perspectiva. Não é fácil de ler e há pormenores a limar mas está ali o assomo de escritor (num rapaz que, afinal, declara a matemática como o seu grande amor). O outro blog é o da Patrícia Lino, no canto esquerdo do peito.. A Patrícia tem a mesma idade do Pedro mas apresenta uma escrita muito diferente, mais poética e centrada em si mas com um fantástico jeito para nos enrolar e levar em palavras e frases cheias de múltiplos e belos sentidos. O que mais impressiona é que a Patrícia já tem um livro publicado. E faz todo o sentido pois escreve de uma forma muito absorvente, fluida e cativante. Para além disso, a jovem tem outros talentos: desenha muito bem e tira umas óptimas fotos a preto e branco.
Continuando nos nossos dispersos escrevedores, agora viro-me para a prata desta nossa casa em forma de leques espraiados. Começo pelo blog do Alfredo, que aqui todos certamente conhecem. É uma outramargem plena de marés de conhecimento e sóis e inteligência e atómos e sinapses a desbravarem novas ligações por todo o lado. Por vezes sinto-me um tótó total ao ler as suas explicações simples sobre física e metafísica mas no final só tenho de lhe agradecer pela forma clara e objectiva com que nos tenta iluminar (é essa a palavra).
Com o risco de soar a auto-promoção, e antes de passarmos a outro prato forte da casa, sugiro também a leitura do meu blog onde neste momento um lobo e um casal peculiar expõem as suas fragilidades.
Chegamos então ao último blog recomendado: o blog do Manuel Nunes, Disperso Escrevedor. A escrita do Manuel é um caso sério de elegância que tricota personagens e situações de uma forma bastante apelativa e intrincada, fruto de uma boa observação e de uma redacção ainda melhor. É para ler, sempre.
Fico a aguardar os vossos posts e que, com este meu espicaçar, as vossas escritas se estendam até onde vocês quiserem. O infinito é o limite. Mas até pode não ser o limite mas quanto a isso eu não poderei dizer nada. Possivelmente o Alfredo vos poderá dar-vos umas luzes mais claras sobre o assunto dos infinitos e ainda mais além.
;)

1 comentário:

Pedro Jorge disse...

Um post útil, achei interessante o blog do Alfredo, já vou consultar, sem rodeios irei, era algo digno.

Este post estabelece ligações.

Pode-se sugerir mais blogs?

:)